Os 17 golpes financeiros mais comuns do Brasil

Entenda a lógica dos principais golpes financeiros, saiba como evitá-los e o que fazer caso caia em uma fraude

12 de dezembro de 2022

Golpes financeiros estão cada vez mais comuns. Uma pesquisa da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) aponta que 22% dos brasileiros já foram vítimas de pelo menos um deles.

Uma outra pesquisa, divulgada em dezembro de 2022, indica que 8,4 milhões de pessoas sofreram alguma fraude financeira apenas no último ano. Os dados são da CNDL e SPC Brasil, em parceria com o Sebrae.

Independente de qual tipo de golpe estejamos falando, uma coisa é certa: a melhor forma de se proteger é a informação! Por isso é tão importante falar sobre esse assunto.

O que é um golpe financeiro?

Golpe financeiro é uma fraude que engana uma ou mais vítimas, que podem ser pessoas físicas ou até empresas, com o objetivo de obter um valor em dinheiro.

Além do prejuízo financeiro, esses golpes também podem causar danos psicológicos em quem passou por uma situação assim.

A forma de enganar as vítimas varia. Hoje existem, cada vez mais, golpes financeiros pela internet. Os golpistas se aproveitam do uso cada vez mais comum de aplicativos financeiros, por exemplo.

Golpes financeiros mais comuns

Os principais golpes do Brasil têm uma característica em comum: de alguma forma, todos envolvem a internet. Como passamos cada vez mais tempo online, os golpistas utilizam estratégias que se beneficiam disso.

Só que isso não significa que a internet seja o problema. O desafio é que esses criminosos utilizam ofertas e histórias muito convincentes ao abordarem uma vítima, que muitas vezes acabam caindo.

Golpes financeiros na internet são mais fáceis porque muitas vezes permitem que os criminosos ajam à distância e, com isso, consigam enganar as vítimas com mais facilidade.

Leia mais: Como não cair em golpes na internet? 13 dicas de segurança

Abaixo, você confere uma lista com os 17 principais golpes financeiros que existem hoje no Brasil.

Golpe do Pix

O golpe do Pix acontece quando a vítima é convencida a fazer uma transferência instantânea para outra conta bancária.

E os motivos que a levaram a isso podem ser vários: a compra de um produto que não existe, um pedido de dinheiro de um suposto conhecido, um falso sequestro…

Como o Pix está muito em alta, já que conquistou os brasileiros, é muito importante ficar de olho para não ser vítima de pessoas mal-intencionadas.

Para isso, confira nosso conteúdo com os 11 principais golpes do Pix e saiba como agir se passar por isso.

Outro ponto que pode preocupar muita gente é a segurança desse método de pagamento, envolvido em tantas fraudes. Se é seu caso, fica a dica: leia nosso texto que responde se o Pix é seguro.

Golpe do WhastApp

É famoso nas redes sociais o golpe em que um criminoso se passa por alguém e começa a pedir dinheiro para os contatos dessa pessoa no WhatsApp.

O golpista usa a foto da vítima, mas diz aos amigos e familiares dela que trocou de número. Em seguida, pede dinheiro e diz que está com alguma urgência.

Você encontra esse e muitos outros exemplos de golpes do WhatsApp no nosso conteúdo só sobre isso. Lá, também damos as melhores dicas para se proteger e ensinamos como agir caso aconteça com você.

Cartão de crédito clonado

O golpe mais comum apontado pelas pesquisas tanto da Febraban quanto da CNDL e SPC Brasil pela foi a clonagem do cartão de crédito. No primeiro levantamento, ele foi indicado por 48% dos entrevistados.

Esse crime acontece quando golpistas utilizam dados do cartão de terceiros para fazer compras.

Outra pesquisa, feita pela empresa especialista em segurança digital PSafe, mostra que um em cada seis brasileiros já teve o cartão clonado. E 73% dos entrevistados dizem ter medo de fazer compras online por conta de golpes.

Por isso tudo é que ter o cartão clonado é um dos golpes mais comuns de cartão de crédito.

Dá para entender por que esse crime é tão relevante, né? O melhor jeito de perceber caso seu cartão seja clonado é ficar de olho na fatura e nas notificações de compra: caso você perceba transações que não reconhece, avise imediatamente seu banco.

Leia mais: Como funciona a fatura do cartão de crédito?

Golpe do empréstimo consignado

Existem muitos golpes de empréstimo e já falamos sobre eles aqui. O golpe do consignado é um deles. Acontece quando um golpista aborda a vítima com uma oferta de consignado muito vantajosa, até boa demais para ser verdade (e é!).

Nessas situações, o golpista convence a pessoa de que, para que o consignado seja liberado, ela deve fazer um pagamento de uma taxa de cadastro ou mesmo de uma parcela do empréstimo. Depois, o criminoso some com o dinheiro.

Golpe do falso sequestro

Cada vez mais famoso, o golpe do sequestro falso acontece quando o criminoso finge ter sequestrado um familiar da vítima.

Sem saber que se trata de uma mentira, a vítima pode se desesperar e acabar dando informações preciosas ao fraudador, como falar o nome de um ente querido.

O golpista, claro, pede que a vítima faça um pagamento para liberar o familiar supostamente sequestrado. No entanto, a situação toda é apenas um grande teatro de muito mau gosto.

Quer entender mais sobre essa estratégia e como se proteger? Saiba tudo sobre o golpe do falso sequestro no nosso conteúdo especial.

Golpe do FGTS

É comum esse golpe utilizar como isca a liberação do saque-extraordinário do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Os fraudadores conseguem fazer transferências de R$ 1 mil por meio do aplicativo Caixa Tem daqueles que ainda não fizeram o saque a que têm direito, por meio de uma invasão da conta no app dos beneficiários.

Confira como reconhecer e evitar o golpe do FGTS!

Golpe da restituição do imposto de renda

Os golpes da falsa restituição do IR buscam fazer as vítimas compartilharem dados privados ou clicar em links infectados.

O objetivo é capturar informações pessoais para fraudes futuras ou até infectar o celular ou computador da vítima com um vírus, por meio dos links corrompidos.

Entenda em detalhes como funciona o golpe da restituição do Imposto de Renda para aprender como evitá-lo!

Golpe da maquininha quebrada ou golpe do delivery

Conhecido especialmente em aplicativos de entregas, esse golpe pode ser chamado das duas formas porque une essas duas coisas: um entregador de app, normalmente de delivery de comida, chega ao cliente para deixar o pedido e faz a cobrança na maquininha.

A fraude acontece porque o golpista diz que está com o visor da maquininha quebrado. Com isso, ele insere um valor muito maior que o da compra para que o cliente pague, mas ele não vê o preço na tela e acaba efetuando a transação.

Outra variação do golpe da maquininha é que, depois da primeira cobrança, o fraudador alega que houve erro e pede para passar o cartão de crédito de novo. Novamente, ele insere um valor muito maior.

Uma terceira possibilidade é fazer um pagamento em uma maquininha com visor adulterado. O cliente vê um valor na tela, mas ele é falso: na verdade, o preço cobrado é muito maior.

Por isso, nunca aceite pagar com maquininhas em que você não consegue conferir o visor.

Além disso, no caso da tela adulterada, pode ser útil manter notificações do cartão ativadas no celular. Assim, logo que a transação é concluída, você é avisado.

Sempre que possível, fazer pagamentos diretamente pelo app e não aceitar cobranças extras evita problemas! No PicPay, você pode comprar gift cards para apps de delivery e ainda ganhar cashback na PicPay Store.

Golpe da falsa central de atendimento

Acontece quando você recebe uma ligação de um suposto funcionário de uma empresa conhecida ou até do seu banco. Só que, na verdade, se trata de uma fraude.

A falsa central de atendimento alega que a ligação é para avisar sobre a clonagem do seu cartão ou até confirmar transações suspeitas que teriam sido feitas na sua conta bancária.

Para supostamente ajudar a vítima e bloquear as movimentações estranhas, o contato do outro lado da linha pede dados pessoais ou da sua conta no banco, e até mesmo a sua senha.

Vale lembrar: seu banco nunca vai pedir senhas por telefone! Desconfie e não compartilhe informações em ligações ou links suspeitos. Sempre procure canais oficiais, se ficar na dúvida.

Para aumentar a sua segurança, entenda como evitar e denunciar golpes virtuais pelo celular.

Golpe do boleto falso

Um falso boleto chega para você, pode ser por e-mail, SMS, WhatsApp ou outro meio. Só que você não sabe que se trata de uma fraude e, mesmo sem reconhecer aquela cobrança, acha melhor pagar, afinal seus dados estão corretos e é uma empresa conhecida.

Essa é a lógica dos golpes com boletos falsos, que estão cada vez mais profissionais e parecidos com as cobranças originais. Quando a vítima paga, o dinheiro vai para o golpista, claro.

Para evitar esse sufoco, existem estratégias para identificar que se trata de uma fraude: vem conhecer 10 dicas de como saber se o boleto é falso.

Furto ou roubo de celular

Você já deve ter percebido que, hoje em dia, ter o celular roubado ou furtado pode ser um problema muito mais grave do que só a perda do aparelho.

Isso porque golpistas se aproveitam para usar aplicativos financeiros e limpar a sua conta.

O jeito mais fácil dos criminosos agirem, nesse caso, é capturarem o seu celular desbloqueado, ou seja, quando você estiver utilizando o aparelho, muitas vezes na rua.

De moto, bicicleta ou até correndo, eles passam e puxam o smartphone da sua mão sem que você tenha tempo de qualquer reação.

É muito importante saber como proteger seus dados em caso de celular roubado! Além disso, caso passe por isso, entenda como rastrear um celular.

Leia mais: Seguro Celular do PicPay: tudo que você precisa saber

Golpe do motoboy falso

Imagine receber uma ligação para dizer que seu cartão foi clonado. Para que você evite problemas, o atendente pede que você informe a senha e outros dados e que corte o cartão, mas sem danificar o chip dele.

Para facilitar ainda mais a sua vida, a instituição vai mandar um motoboy para retirar o cartão fraudado na sua casa, e você nem precisa se preocupar com nada. Esse é o golpe do falso motoboy.

Atenção! Os bancos sérios e confiáveis cancelam seu cartão digitalmente em caso de fraude ou clonagem e, depois, basta você descartar o plástico. Nunca entregue seu cartão a um desconhecido.

Pirâmide financeira

As pirâmides financeiras, também chamadas de “esquema Ponzi”, acontecem quando o retorno do investidor sobre seu investimento depende da entrada de novos participantes no negócio.

Ou seja, o lucro que ele obtém ao investir seu dinheiro em algo não vem da venda de um produto ou serviço, mas de ter mais pessoas envolvidas.

Vamos a um exemplo para ficar mais fácil. Imagine que um familiar seu conta que recebeu muito dinheiro ao vender cosméticos da marca “Sempre bonita”. Mas, para comprar os produtos da marca, você precisa se tornar membro e pagar uma taxa de entrada.

Ao participar do grupo, você pode comprar os cosméticos da “Sempre bonita” por preços bem melhores e depois revendê-los. Aí você compra muitos, porque imagina que a venda vai ser grande.

É assim que os esquemas de pirâmide se sustentam. À medida que mais pessoas entram, mais dinheiro quem está no topo recebe, e quem acabou de chegar precisa se encarregar de trazer novos integrantes para que também possa se beneficiar.

Entenda, em detalhes, o que é esquema de pirâmide e como agir caso seja confrontado com um!

Golpe do phishing ou link falso

Ofertas boas demais para serem verdadeiras já chegaram para você por e-mail, SMS, redes sociais ou até WhatsApp? Cuidado, pode ser o golpe de phishing.

Já explicamos o que é phishing por aqui. Para que esse golpe aconteça, a vítima precisa clicar no link que recebeu. 

Normalmente, ela precisa informar dados pessoais em troca de algum benefício, como uma oferta ou contratação de produto ou serviço.

Na realidade, é tudo falso, e o link instala vírus e aplicativos que coletam dados. Os criminosos podem ter acesso às informações pessoais da vítima ou conseguir, por meio desses apps, ter acesso às contas da pessoa enganada.

No nosso post especial sobre o tema, explicamos como identificar o golpe do link falso. Proteja-se!

Leilão falso

Esse golpe é praticado em sites que simulam leilões falsos, com produtos oferecidos a preços bem menores que no mercado.

Só que, para garantir a compra, o consumidor precisa fazer o pagamento imediato, seja por transferência ou Pix.

Leia mais: Como saber se um site é falso ao fazer uma compra?

Muitas vezes, os golpistas utilizam o argumento de que o valor ofertado é por pouco tempo. Assim que o pagamento é concluído, o criminoso some com o dinheiro.

Cuidado: antes de comprar em sites de leilões, é fundamental pesquisar sobre a empresa! Vale ficar atento também para não fazer pagamentos como esse para a conta de pessoas físicas.

Conta laranja

Alguém já pediu para usar a sua conta bancária “emprestada”? Ou mesmo pediu sua ajuda para enviar um pagamento para você e depois pediu para que você repassasse a um terceiro?

Muita atenção, porque pode se tratar de uma conta laranja. Deixar que outras pessoas movimentem a sua conta digital, mesmo que sejam parentes ou amigos, é crime! Conhecida como “aluguel de conta”, essa prática pode trazer muitas complicações.

Entenda melhor do que se trata a conta laranja e por que você não deve emprestar seus dados nunca.

Golpe do INSS

Funciona assim: criminosos se passam por servidores do INSS, o Instituto Nacional do Seguro Social, e pedem informações pessoais e fotos de documentos sob o pretexto de fazer a chamada Prova de Vida, que evita um suposto “bloqueio nos pagamentos”.

Para enganar as pessoas, quem comete esse golpe pode até mandar links para a vítima, pedindo que ela faça uma biometria facial, e citar alguns dados da pessoa para que ela acredite que a história é verdadeira.

O INSS alerta que os golpistas podem abordar possíveis vítimas por carta, e-mail, telefonema ou WhatsApp ou SMS. Se isso acontecer, é golpe.

Leia mais: Golpe do INSS: como funcionam as fraudes contra beneficiários

Como não cair em golpes financeiros?

Agora que você já conhece os golpes mais comuns, é importante entender como proteger a si mesmo e ao seu bolso e, claro, fazer pagamentos seguros.

Uma pesquisa com vítimas de golpes financeiros feita pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), vinculada ao Ministério da Economia, ajuda a entender alguns dos principais motivos que levaram os entrevistados a passarem por isso.

Os motivos que mais levam as pessoas a caírem em golpes, segundo a pesquisa, são:

  • Aparência do site usado no golpe transmitia confiança (39,9%);
  • Outros familiares ou amigos já haviam feito um investimento similar ao que era prometido no golpe (38,8%);
  • Bom atendimento por parte dos fraudadores (35,4%);
  • Baixo valor em dinheiro exigido (30,9%);
  • Desconhecimento da modalidade do golpe (24,7%).

Para ajudar, listamos as cinco melhores dicas de como não cair em golpes na internet ou ao vivo. Em seguida, você pode conferir em detalhes o que cada uma quer dizer!

Desconfie de ofertas repentinas e boas demais

Um padrão que se repete entre os golpes que envolvem dinheiro é oferecer à vítima algo que parece bom demais para ser verdade. É uma estratégia proposital, para tornar a cilada irrecusável. Por isso, sempre desconfie!

Pesquise sobre a empresa

Uma empresa entrou em contato com uma oferta boa demais ou pelo WhatsApp? Pesquise sobre ela em sites de reputação, em que é possível ver depoimentos de outros clientes, garanta que a instituição existe e que a pessoa que te contatou realmente é funcionário da empresa.

Observe padrões suspeitos

Os golpes evoluem com o tempo, mas a estratégia é parecida: abordar a vítima de uma forma que pareça se tratar de uma oferta real, com benefícios incríveis e uma certa urgência na hora de contratar. Cuidado: grandes chances de golpe!

Repense antes de aceitar uma oferta ou clicar em algo

É comum em golpes financeiros perceber uma certa urgência. Seja em um leilão ou link falso, na hora de pedir um adiantamento por um empréstimo ou um Pix, os criminosos evitam que a vítima tenha tempo para pensar e, assim, aja sem refletir. Repense algumas vezes antes de topar para evitar um problema maior.

Calcule se a oferta faz realmente sentido

Se te oferecem uma condição especial, vale a pena colocar na ponta do lápis e entender se aquela oferta é realmente boa e factível. Se pintar qualquer dúvida, volte à dica 4 e repense! É melhor levar mais tempo para decidir do que se arriscar e levar a pior.

Dica bônus: conheça a Central de Segurança

A Central de Segurança é uma página do blog PicPay que reúne orientações sobre como agir para evitar golpes, fraudes e outros problemas de segurança digital

Ela está disponível não só para usuários do app, mas para todas as pessoas que buscam dicas para se proteger em situações como perdas, roubos ou qualquer violação dos seus dados pessoais.

Além de oferecer orientações rápidas para quem busca ajuda imediata, a Central disponibiliza uma área destinada aos canais de atendimento do PicPay, em que é possível escolher um dos meios de contato com a empresa se precisar de suporte.

Caí em um golpe, e agora?

Se você caiu em um golpe, a maneira de agir vai depender de como foi a dinâmica da fraude. Mesmo assim, existem algumas ações que valem para a maioria dos casos. 

Confira abaixo como agir caso tenha sofrido um golpe em três passos:

Seja ágil

É preciso agir rápido depois de um golpe, porque isso pode determinar se será possível recuperar o dinheiro ou não.

Por exemplo, caso você tenha feito um Pix ou alguma movimentação na sua conta do banco, é preciso entrar em contato imediatamente com a instituição financeira e explicar o que aconteceu. Isso também vale para golpes com o cartão de crédito.

Documente tudo

O golpe envolveu alguma conversa por rede social ou WhatsApp? Fez uma transferência para uma chave Pix? Registre tudo com prints. 

Se entrar em contato com alguma instituição financeira, como o seu banco, também é fundamental anotar os números de protocolo.

Registre um Boletim de Ocorrência

É muito importante registrar um Boletim de Ocorrência (BO) com todas as informações do seu caso.

Os registros que comprovam a fraude, como prints da tela, serão muito úteis aqui.

Se quiser saber mais, fica a dica: nosso conteúdo sobre como recuperar dinheiro de estelionato em 6 passos é muito completo!

Agora você está muito mais preparado para lidar com possíveis golpes financeiros. Esperamos que nossas dicas tenham ajudado! Se você gostou, confira outros posts sobre segurança digital.

Esse conteúdo foi útil? Deixe aqui sua avaliação

Média da classificação 2.3 / 5. Número de votos: 16

Compartilhe este Post:

Conteúdos relacionados