Como saber se um site é falso ao fazer uma compra?

Entenda como saber se um site é falso, confira os cuidados que você deve ter antes de comprar e saiba como agir se cair nesse tipo de golpe

3 de outubro de 2022 Atualizado em 17 de novembro de 2022

Fazer compras pela internet caiu no gosto do brasileiro. Um levantamento do CupomValido mostra que as vendas online no país cresceram 22% em 2022, em relação ao ano anterior. Agora, é preciso tomar cuidado para não cair em golpes e acabar no prejuízo. Por exemplo: como saber se um site é falso?

Por incrível que pareça, essa é uma fraude relativamente comum. O fraudador coloca no ar um site praticamente igual ao de alguma empresa verdadeira e manda uma oferta tentadora para o consumidor. 

Leia mais: Dicas de segurança digital para se proteger de fraudes e golpes

Ele faz a compra, mas jamais recebe o produto. Ao entrar em contato com o e-commerce “real”, descobre que nem existe um pedido em seu nome.

Então, mas como saber se um site é verdadeiro ou falso? A gente explica tudo neste artigo.

Ah, e se, por infelicidade, você for alvo desse tipo de fraude, também explicamos o que fazer, quais são os seus direitos e quem procurar. Acompanhe!

Por que os golpistas criam sites falsos?

O objetivo do site falso é levar o consumidor a fazer uma “compra” para capturar os dados do consumidor

Golpes que levam a vítima a preencher seus dados se passando por uma instituição ou empresa conhecida também são chamados de phishing.

Ao ser direcionado para essa página — igualmente falsa — de compra, o cliente se depara com um formulário que solicita as informações pessoais dele, como nome completo, CPF, endereço.

Tudo isso além, é claro, dos dados para pagamento, como o número do cartão de crédito.

Assim, os golpistas não ganham apenas o valor obtido com aquela transação específica, mas também podem usar seus dados em outras fraudes ou ainda vendê-los ilegalmente.

Além disso, ficam com as informações do cartão de crédito, com as quais podem fazer novas compras, aumentando o prejuízo da vítima.

Leia mais: Cartão de crédito perdido ou roubado: o que fazer?

Os transtornos e prejuízos podem ser ainda muito maiores e mais graves. Com seus dados em mãos, os golpistas conseguem fazer empréstimos e financiamentos em seu nome.

Você só vai descobrir quando começarem a chegar as cobranças, e aí vai ter que provar que foi vítima de um golpe.

Em alguns casos, o golpe vai além: o site fraudulento instala programas “espiões” no computador das vítimas, que dão acesso total à máquina do usuário. 

Com isso, os golpistas podem entrar em arquivos pessoais e profissionais e criptografá-los, fazendo uma espécie de sequestro que impede que o dono dos documentos os acesse. 

Nesse tipo de ataque, conhecido como ransomware, os fraudadores cobram um resgate para devolver o acesso aos conteúdos para seus donos legítimos.

Como funciona o golpe do site falso?

Para levar o usuário ao site falso, os golpistas jogam “iscas”, ou seja, criam ofertas falsas, normalmente “imperdíveis”.

Elas podem estar na forma de um anúncio em redes sociais ou de uma mensagem no WhatsApp, por exemplo. O link disponibilizado no anúncio já direciona o usuário para o site falso.

Leia mais: Golpes do WhatsApp: como evitar e o que fazer se cair em um?

Um alerta importante: golpes financeiros em geral aumentam em datas importantes para o comércio, como Black Friday e Natal. Vale ter cuidado redobrado nesses períodos.

E, afinal, como saber se um site é falso?

É bem comum ficar em dúvida sobre como saber se um site é falso. Existem diversas formas de verificar a autenticidade de uma página da internet. 

Todas elas requerem algo em comum: que o usuário mantenha uma postura atenta e um pouco desconfiada

Mas como faço para saber se o site é falso? Veja abaixo as principais dicas para evitar cair nesse golpe e entenda como saber se o site não é falso.

Observe a qualidade do site

Muitas vezes, os sites falsos estão naquela categoria “muito parecido com o original, mas um pouco pior”, como acontece com produtos que copiam grandes marcas, sabe? 

Se você vir imagens de baixa qualidade, palavras escritas incorretamente ou um aspecto meio amador, já pode acender o sinal amarelo.

Outro indício de que algo pode estar errado é o “tom” dos textos. Popups pulando por todo lado, luzes piscando e ofertas muito incisivas e sensacionalistas são um sinal de alerta.

Verifique se a conexão é segura

Você já deve ter reparado que, ao lado do campo onde fica o endereço do site, aparece o ícone de um pequeno cadeado. É exatamente esse o símbolo que mostra que você está em uma conexão segura. 

Os navegadores costumam exibir o status de segurança perto do endereço da web. No caso do Google Chrome, como mencionamos acima, é o cadeadinho.

Se o site for não seguro ou perigoso, aparece um pequeno triângulo vermelho com um ponto de exclamação no centro.

É importante destacar que estar em uma conexão segura não garante a autenticidade do site, mas o fato de não ser uma conexão segura é um indício bastante preocupante.

Aqui também cabe um alerta: é comum que se recomende checar se o site tem um selo de segurança.

Sim, é possível fazer isso, mas a verdade é que se trata de uma imagem, que pode ser copiada como qualquer outra. 

Neste caso, você apenas tem um novo problema: como saber se o selo do site é falso. Não serve, portanto, como indicativo de autenticidade.

No nosso conteúdo sobre pagamentos seguros, você encontra mais dicas para se proteger.

Verifique o nome do domínio

O site falso vai sempre procurar ter um domínio muito parecido com aquele que ele quer imitar, mas não tem como ser idêntico, é claro.

A maioria dos sites de compra usa domínios com .com ou .com.br. Se a URL terminar com .org ou .net, já é motivo para prestar atenção. 

Outra dica é observar a grafia do domínio. Muitos sites falsos usam uma URL praticamente igual à do endereço verdadeiro, trocando apenas uma letra, mudança que passa despercebida para a maioria das pessoas.

Disso decorre mais uma dica: prefira sempre digitar o endereço do site no navegador, em vez de clicar em qualquer link que você tenha recebido por qualquer canal, como e-mail, SMS ou WhatsApp. 

Ao digitar a URL, aumentam as chances de você colocar o endereço real da empresa e não ser enganado por pequenas alterações.

Caso ainda tenha dúvida, também é possível conferir gratuitamente quem registrou o nome de domínio ou a URL em sites como o LookWhols.net e Whois.net.

Desconfie se a oferta for boa demais

Sim, é possível encontrar ótimos negócios em sites de confiança, mas, se a oferta for boa demais, desconfie. 

O golpista usa esse tipo de tática para atrair os consumidores, que, ao verem o objeto do desejo sendo vendido em condições tão vantajosas, correm para não perder a “oportunidade”.

Faça uma busca na internet

Notícias sobre golpes se espalham como fogo no palheiro. Antes de fechar qualquer negócio, coloque o nome da empresa em um buscador e veja se não há nenhuma informação sobre fraudes envolvendo aquele site. 

Outra dica importante é procurar o nome da empresa em sites de reclamações de consumidores, como o Reclame Aqui

Se houver alguma fraude em curso, é muito provável que você encontre consumidores lesados contando suas histórias nesses espaços. 

O Procon SP também mantém uma lista de sites não confiáveis, que contém diversas informações úteis, como o endereço do site, o CNPJ ou CPF ao qual está vinculado o site, seu status (online ou offline) e a data de inclusão na lista. Vale conferir antes de fechar a compra.

Confira a transparência do domínio

O Google disponibiliza uma ferramenta que permite verificar a transparência de determinados domínios.

Acesse a página Navegação Segura e digite, no campo de verificação de status, a URL que deseja analisar. A plataforma vai mostrar se há algum conteúdo perigoso na página analisada.

Verifique as redes sociais da empresa

As redes sociais de uma empresa dizem muito sobre elas, especialmente de sites de compra.

Nesse setor, é comum que o público interaja com as publicações, tirando dúvidas e até mesmo fazendo reclamações. Se não houver comentários ou se eles forem apenas elogiosos, ligue o alerta. 

No mínimo, a empresa está apagando as manifestações negativas, o que, por si só, já é uma prática não recomendada. A situação é ainda pior se o campo para comentários estiver desabilitado.

E como denunciar site falso?

Bom, e se você se deparar com um site falso, o que fazer? O nome técnico para esse tipo de golpe, que usa meios fraudulentos para obter informações pessoais e bancárias, é phishing. 

É possível denunciar site falso à equipe de Navegação segura do Google, acesse Denunciar página de phishing, informe a URL e qualquer outra observação relevante.

Ah, vale lembrar que você pode — e deve! — denunciar caso se depare com uma página falsa usando o nome do PicPay.

Agora, o que fazer se comprou em um site falso?

Mesmo o mais cauteloso dos consumidores está sujeito a cair em um golpe. É óbvio que, se você estiver bem atento, as chances de acontecer são remotas. 

No entanto, os fraudadores sabem que nem sempre conseguimos manter as antenas ligadas o tempo todo e, num momento de descuido, podemos ser as próximas vítimas. Saiba o que fazer nesse caso.

Seja rápido

Assim que perceber o golpe, entre em contato com seu banco, solicite o bloqueio da transação e o reembolso do valor perdido. Nem sempre essa é uma alternativa viável, especialmente se você realizou o pagamento por transferência bancária ou Pix.

Leia mais: Golpe do Pix: conheça os principais e saiba o que fazer

Além disso, os bancos podem adotar políticas diferentes quanto ao reembolso de vítimas de fraudes.

Faça um boletim de ocorrência (BO)

Você vai precisar comprovar que foi vítima de um golpe se o fraudador usar seus dados para outros crimes.

Por isso, faça um boletim de ocorrência imediatamente. Leve impresso o comprovante de pagamento da compra feita no site falso.

Verifique seu antivírus

Confira se seu antivírus está atualizado. Isso aumenta consideravelmente as chances de que ele esteja preparado para bloquear eventuais programas maliciosos, prevenindo prejuízos adicionais.

Troque suas senhas

Para sua segurança, troque as senhas dos seus e-mails, dos aplicativos de bancos e, se possível, dos sites em que costuma fazer compras, especialmente aqueles em que seu cartão de crédito está gravado. Use senhas fortes e não as repita em diferentes lugares.

Por fim, não se culpe

Quando sofremos algum golpe que poderia ter sido evitado, temos a tendência de colocar a culpa em nós mesmos e nos martirizar com isso. 

Lembre-se: a culpa por um crime é sempre de quem o comete, e não de quem o sofre. 

Uma coisa é buscar conhecimento e manter a atenção para evitar cair num golpe, outra é culpar-se por um crime do qual, na verdade, você foi vítima. 

Seja gentil consigo mesmo, não se culpe e não deixe que ninguém coloque essa responsabilidade em você.

Agora você já sabe como identificar se o site é verdadeiro ou falso e o que fazer se tiver a infelicidade de cair num golpe como esse. 

Quando falamos em segurança digital é importante ter ferramentas que nos ajudem a combater os ataques cada vez mais sofisticados dos fraudadores. 

No entanto, elas têm pouca serventia se não mantivermos sempre essa postura alerta em relação aos riscos.Quer conferir outras dicas para se proteger de fraudes e golpes? Confira nossos conteúdos sobre segurança digital!

Esse conteúdo foi útil? Deixe aqui sua avaliação

Média da classificação 2.9 / 5. Número de votos: 24

Compartilhe este Post:

Conteúdos relacionados