Quanto custa abrir uma empresa? Confira os custos em 2022

Descubra quanto custa abrir uma empresa em 2022, quais são os custos de uma micro ou pequena empresa e quanto é preciso para começar seu negócio

14 de junho de 2022

Você tem vontade de montar o próprio negócio ou se formalizar, mas ainda está com dúvidas sobre quanto dinheiro é necessário? Saiba quanto custa abrir uma empresa e mantê-la!

É claro que esses custos variam de acordo com o tamanho do negócio, o ramo de atuação e até mesmo o estado onde a empresa está localizada. Ainda assim, vamos passar um panorama geral e tirar todas as suas dúvidas sobre o tema, focando nas micro e pequenas empresas.

Qual é a diferença entre ME, EPP e MEI?

Antes de abordarmos sobre os custos dos negócios, é importante explicar as diferentes categorias de micro e pequenas empresas. Cada uma possui regras distintas, que também afetam os gastos.

  • Microempreendedor Individual (MEI): pode ter faturamento anual máximo de R$ 81 mil e fazer a contratação de apenas um funcionário;
  • Microempresa (ME): pode faturar no máximo R$ 360 mil por ano e contratar até 9 funcionários no comércio e 19 na indústria;
  • Empresa de Pequeno Porte: pode ter um faturamento bruto anual de até R$4,8 milhões e contar com a colaboração de até 49 colaboradores no comércio e 99 na indústria.

As micro e pequenas empresas são responsáveis por mais de um quarto do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, de acordo com o IBGE.

Além do mais, dados levantados pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas junto à Receita Federal apontam que mais de 90% das empresas abertas ao longo de 2021 são desse porte: 3,3 milhões dos mais de 3,9 milhões novos CNPJs.

Desse total, 3,1 milhões são Microempreendedores Individuais, o que corresponde a cerca de 80% dos negócios abertos. Já as Microempresas são mais de 17% do total, com quase 683 mil unidades. Por fim, as Empresas de Pequeno Porte representam 4%, com mais de 121 mil aberturas.

Quanto custa abrir e manter uma Microempresa ou Empresa de Pequeno Porte?

Mais do que destacar a força dos micro e pequenos negócios, é importante ressaltar que, de 2020 para 2021, houve um aumento de quase 20% no número de novos CNPJs abertos no Brasil. 

Com esse cenário positivo, sobretudo com o crescimento da economia após um período de recessão provocado pela pandemia, diversas pessoas querem empreender. 

Para isso, é importante saber quanto custa abrir uma empresa e também quais são os gastos para mantê-la. Antes, tenha em mente a necessidade de fazer um plano de negócios. 

Quanto custa abrir uma empresa?

Aqui no Blog PicPay, você já teve a chance de aprender como abrir um CNPJ e fazer a abertura de MEI. Nesses conteúdos, falamos sobre as vantagens de ter um CNPJ e demos o passo a passo de como abrir um.

Desta vez, o foco será nos valores envolvidos no processo de formalizar uma micro ou pequena empresa. 

Gastos com documentação

Segundo uma pesquisa do Sebrae, os gastos com documentação e contabilidade para abrir uma empresa podem variar entre R$ 500 e R$ 1.500, dependendo do Estado de residência.

A Receita Federal não cobra pela abertura do CNPJ, mas existem outros gastos envolvidos nesse processo. Basicamente, o investimento inicial será destinado à regularização da empresa no âmbito federal, estadual e municipal. 

Entenda em detalhes os principais gastos iniciais e obrigatórios:

Junta Comercial

Para solicitar a abertura do CNPJ junto à Receita Federal, você precisa antes fazer o registro na Junta Comercial do seu Estado. 

Durante esse processo, que pode custar entre R$ 70 e R$ 350, você precisa apresentar o Contrato Social, que funciona como se fosse uma Certidão de Nascimento da empresa.

Alvará de funcionamento

No âmbito municipal, você precisa regularizar a situação do local de funcionamento da sua empresa com a Prefeitura da sua cidade. 

É necessário conseguir as licenças básicas como ambiental, sanitária e do Corpo de Bombeiros. Os custos podem variar de R$ 120 a R$ 750.

Certificado Digital

Todas as empresas são obrigadas a emitir nota fiscal, exceto os MEIs em vendas para pessoas físicas. 

Para emissão das NFs, o seu negócio precisa de um Certificado Digital, que serve para autenticar a identidade da empresa. O preço para conseguir um varia entre R$ 150 e R$ 400.

Outras despesas

Além dos gastos com documentação, ao abrir uma empresa, você precisa levar em consideração outras despesas iniciais. Contas como aluguel, reformas, contratação de funcionários, compra de equipamentos e de matéria-prima precisam ser contabilizadas.

Por isso, o ideal é que você tenha um capital extra, destinado a eventuais emergências e até mesmo para ajudar no capital de giro do seu negócio. 

Outro possível gasto é com o registro da sua marca, logo após a conclusão dos trâmites de abertura do CNPJ. Você precisa verificar a disponibilidade do nome junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial. A consulta e o registro podem custar entre R$ 200 e R$ 2.000.

Todos esses gastos fazem parte do Capital Social da empresa, que, em resumo, é o investimento feito pelo dono e possíveis sócios para fazer o negócio começar a funcionar e gerar o próprio faturamento.

Para finalizar este tópico, fica uma dica: nunca misture as suas contas pessoais com as da sua empresa. Confira 5 razões para separar contas de casa das finanças corporativas.

Como abrir uma empresa com pouco dinheiro?

Se você quer empreender, mas está com o orçamento apertado, existem maneiras para conseguir tirar o seu negócio do papel sem desperdiçar dinheiro.

O primeiro passo é o planejamento. Pense bem no seu projeto e, se for preciso, acesse o painel de ideias do Sebrae

Pesquise bastante sobre a área, conheça o seu público-alvo e busque maneiras de oferecer diferenciais em relação aos seus concorrentes. Com esses dados em mãos, faça um plano de negócios.

Depois disso, se organize para a formalização. Faça orçamentos com contadores diferentes e busque sempre o melhor custo benefício. Caso seja necessário, busque crédito junto a instituições financeiras.

Uma dica para quem deseja iniciar um negócio, ainda que com poucos recursos, é começar aos poucos. As taxas para se tornar MEI são bem mais baixas em comparação com as MEs e EPPs.

Uma ótima alternativa, por exemplo, é abrir um negócio online. As empresas de e-commerce ganharam força principalmente com a pandemia de coronavírus e seguem em crescimento. Aprenda aqui como ganhar dinheiro na internet e sobre estratégias de vendas online!

Quais são os custos de uma empresa depois de aberta?

Agora que você já sabe quanto custa abrir uma empresa, é hora de calcular os gastos com a manutenção do negócio. Obviamente esses valores variam de empresa para empresa, dependendo do tamanho e do setor de atuação.

O cálculo dos custos da empresa é importante tanto para você que quer abrir um negócio quanto para quem já tem um. Esses números são essenciais para analisar a rentabilidade e a lucratividade da empresa.

Para calcular o lucro bruto e o lucro líquido, além de contabilizar a receita mensal, você tem que contar os custos fixos e variáveis do seu negócio. Por isso, para abordarmos quanto custa manter uma empresa, vamos dividir as despesas nesses dois grupos.

Custos variáveis são todas as despesas que variam de acordo com o nível de produção do negócio. Alguns exemplos de custos variáveis:

  • Matéria-prima;
  • Embalagem;
  • Transporte de mercadorias;
  • Hora-extra de funcionários.

Custos fixos são todas as despesas que se mantêm, independentemente da quantidade produzida no mês. Abaixo, alguns exemplos de custos fixos: 

  • Aluguel;
  • Contas como energia elétrica, de água, internet e IPTU;
  • Remuneração de funcionários ou sócios que atuem no negócio;
  • Obrigações trabalhistas como INSS e FGTS;
  • Investimento em publicidade;
  • Contratação de fornecedores;
  • Honorários para prestadores de serviços;
  • Pagamento de impostos!

No caso dos impostos, existe um pensamento bastante difundido de que várias empresas não dão certo no Brasil por conta da alta carga tributária. Será que é assim mesmo? Para isso, vamos explicar um pouco mais sobre os tipos de impostos pagos no País.

Por que o Governo cobra impostos das empresas?

Essa é uma dúvida comum e difícil de ser respondida de forma simples. A prática de cobrança de impostos existe há milhares de anos e se transformou com o passar dos anos.

No Brasil, em resumo, o objetivo é financiar os gastos do Poder Público em investimentos para a população como segurança pública, infraestrutura, saneamento básico, educação e saúde. Outra finalidade é a regulação do mercado.

Quais são os impostos para ME?

Os impostos fazem parte dos gastos mensais de qualquer negócio. No caso das Microempresas, são oito tributos diferentes, sendo que dependendo do setor do negócio, alguns não são cobrados. 

Os impostos para empresas desse porte são:

  • Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ);
  • Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI);
  • Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL);
  • Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins);
  • Contribuição para o PIS/Pasep;
  • Contribuição Patronal Previdenciária (CPP);
  • Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS);
  • Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS).

Quais são os impostos para EPP?

Basicamente, os impostos cobrados de Empresas de Pequeno Porte são os mesmos das Microempresas. Os tributos também variam de acordo com o setor de atuação e com o faturamento do negócio.

Como calcular todos esses impostos?

São diversas siglas, várias taxas e diferentes alíquotas. Afinal, como calcular todos esses impostos e ficar em dia com o Fisco? Pode parecer complicado, mas há uma maneira bem simplificada de fazer isso.

Quando você abre um negócio, você precisa optar por algum regime tributário. Para ficar mais claro, você precisa escolher como quer pagar os seus impostos. Os mais comuns são por Lucro Real, Lucro Presumido ou pelo Simples Nacional, como já explicamos em nosso conteúdo sobre tipos de lucros.

Enquanto no Lucro Real os impostos são cobrados com base na lucratividade da empresa, o Lucro Presumido é baseado no faturamento, utilizando uma alíquota predefinida para o cálculo.

o Simples Nacional é destinado a você, micro ou pequeno empreendedor. Com esse regime, todos os impostos são calculados e cobrados de uma só vez, com taxas progressivas que favorecem os negócios menores.

Apenas micro e pequenas empresas podem aderir ao Simples Nacional, já que o faturamento máximo é de R$ 4,8 milhões. Os Microempreendedores Individuais têm acesso a uma versão ainda mais descomplicada do Simples, com um valor fixo a ser pago por mês.

Se quer saber quanto terá que pagar caso opte por esse regime, temos um conteúdo próprio para você, sobre como calcular o Simples Nacional. 

Como fica a divisão de impostos pelo Simples Nacional?

Os impostos pagos pelas empresas optantes pelo Simples Nacional são todos os oito listados acima. As alíquotas variam de acordo com o setor e também com o faturamento. Os setores são:

  • Comércio, anexo I;
  • Indústria, anexo II;
  • Prestação de serviços, anexos III, IV e V.

Já o tamanho do negócio, com base na receita, é definido por faixas, com seis diferentes divisões:

  • 1ª Faixa: Até 180 mil;
  • 2ª Faixa: De 180 mil a 360 mil;
  • 3ª Faixa: De 360 mil a 720 mil;
  • 4ª Faixa: De 720 mil a 1,8 milhões;
  • 5ª Faixa: De 1,8 milhões a 3,6 milhões;
  • 6ª Faixa: De 3,6 milhões a 4,8 milhões.

Para saber quais impostos são recolhidos do seu negócio e como fica a divisão deles pelo Simples Nacional, basta conferir as cinco tabelas abaixo.

Anexo I – Comércio

 IRPJCSLLCofinsPIS/PasepCPPICMS
1a Faixa5,50%3,50%12,74%2,76%41,50%34,00%
2a Faixa5,50%3,50%12,74%2,76%41,50%34,00%
3a Faixa5,50%3,50%12,74%2,76%42,00%33,50%
4a Faixa5,50%3,50%12,74%2,76%42,00%33,50%
5a Faixa5,50%3,50%12,74%2,76%42,00%33,50%
6a Faixa13,50%10,00%28,27%6,13%42,10%

Anexo II – Indústria

 IRPJCSLLCofinsPIS/PasepCPPIPIICMS
1a Faixa5,50%3,50%11,51%2,49%37,50%7,50%32,00%
2a Faixa5,50%3,50%11,51%2,49%37,50%7,50%32,00%
3a Faixa5,50%3,50%11,51%2,49%37,50%7,50%32,00%
4a Faixa5,50%3,50%11,51%2,49%37,50%7,50%32,00%
5a Faixa5,50%3,50%11,51%2,49%37,50%7,50%32,00%
6a Faixa8,50%7,50%20,96%4,54%23,50%35,00%

Anexo III – Prestação de serviços

 IRPJCSLLCofinsPIS/PasepCPPISS (*)
1a Faixa4,00%3,50%12,82%2,78%43,40%33,50%
2a Faixa4,00%3,50%14,05%3,05%43,40%32,00%
3a Faixa4,00%3,50%13,64%2,96%43,40%32,50%
4a Faixa4,00%3,50%13,64%2,96%43,40%32,50%
5a Faixa4,00%3,50%12,82%2,78%43,40%33,50%
6a Faixa35,00%15,00%16,03%3,47%30,50%

Anexo IV – Prestação de serviços

 IRPJCSLLCofinsPIS/PasepISS (*)
1a Faixa18,80%15,20%17,67%3,83%44,50%
2a Faixa19,80%15,20%20,55%4,45%40,00%
3a Faixa20,80%15,20%19,73%4,27%40,00%
4a Faixa17,80%19,20%18,90%4,10%40,00%
5a Faixa18,80%19,20%18,08%3,92%40,00%
6a Faixa53,50%21,50%20,55%4,45%

Anexo V – Prestação de serviços

 IRPJCSLLCofinsPIS/PasepCPPISS
1a Faixa25,00%15,00%14,10%3,05%28,85%14,00%
2a Faixa23,00%15,00%14,10%3,05%27,85%17,00%
3a Faixa24,00%15,00%14,92%3,23%23,85%19,00%
4a Faixa21,00%15,00%15,74%3,41%23,85%21,00%
5a Faixa23,00%12,50%14,10%3,05%23,85%23,50%
6a Faixa35,00%15,50%16,44%3,56%29,50%

Se esse conteúdo foi útil para você, conheça a nossa editoria destinada à gestão de negócios, com foco em micro e pequenas empresas.

Esse conteúdo foi útil? Deixe aqui sua avaliação

Média da classificação 4.2 / 5. Número de votos: 10

Compartilhe este Post:

Conteúdos relacionados