Amortização: veja como reduzir suas dívidas

Conheça as vantagens da amortização e como você pode ter dinheiro extra para ter um custo menor com dívidas

04 de junho de 2024

Se você tem uma ou mais dívidas precisa conhecer a amortização e como o recurso pode ser um aliado para as suas finanças.

A possibilidade de amortizar um financiamento ou empréstimo de qualquer tipo é um direito dos consumidores e deve sempre ser considerada quando estamos pensando em colocar as contas em dia.

Além de descobrir o que é e como funciona a amortização, neste artigo vamos te ajudar a decidir a melhor forma de aproveitar esta estratégia no seu contexto financeiro. Boa leitura!

O que é amortização?

O termo amortização vem do verbo amortizar que significa abater ou descontar. Assim, a amortização de uma dívida é o processo por meio do qual você reduz o débito por meio da quitação. 

Um dos pontos mais importantes da amortização é o fato de que, quando você a faz de maneira prévia (a famosa quitação antecipada), obtém descontos proporcionais aos juros da operação.

Não importa se a sua dívida é de poucos meses ou décadas (comum no caso de financiamentos imobiliários, por exemplo): você sempre poderá pagar uma ou mais parcelas antes do vencimento

Essa prática é a da amortização da sua dívida e diminui o custo total do valor devido, ao fim e ao cabo. 

Então, resumindo, temos duas ideias por trás da amortização: uma é a redução normal da dívida, com o pagamento regular da mesma; e a outra é o desconto obtido caso antecipe pagamentos futuros para quitar mais rapidamente o débito.

Como funciona a amortização de empréstimos ou financiamentos?

Algumas dívidas são mais frequentes e simples, como por exemplo, uma compra parcelada no cartão de crédito.

Se você compra um celular novo no cartão de crédito e parcela em 12 vezes, a cada mês que paga sua fatura do cartão, você está amortizando a dívida do celular. Fácil, certo?

Mas o cenário muda um pouco quando falamos de empréstimos e financiamentos. Essas são operações de concessão de crédito com uma complexidade maior (como a exigência de assinatura de contratos).

Os empréstimos e financiamentos são compostos por: 

  • (i) Valor principal (quanto você de fato pegou de crédito); 
  • (ii) Taxa de juros (a remuneração que a instituição financeira irá receber); 
  • (iii) Saldo devedor (valor total da dívida, incluindo todos os custos);
  • (iv) Prestações (quanto você paga mensalmente até quitar tudo).

E é bem nesse tipo de operação que podemos ver ainda maiores vantagens na amortização.  

Com a estratégia, você adianta pagamentos do saldo devedor e ganha o desconto proporcional dos juros e a redução do tempo da dívida (ou seja, diminui o período no qual precisa pagá-la).

Amortização de empréstimos

Existem diferentes tipos de empréstimos, com e sem garantia, mas de modo geral todos tratam da concessão de crédito para que você utilize da forma como desejar.

Seja um empréstimo pessoal de R$ 5 mil em 12 meses ou um empréstimo consignado de R$ 50 mil em 84 meses, todo empréstimo será amortizado, mês a mês, conforme você paga em dias as parcelas; e poderá ser objeto de quitação antecipada de uma ou mais parcelas.

O que pode variar, a depender do tipo de empréstimo e da política de crédito da instituição financeira, é se a antecipação pode ser feita somente das últimas parcelas, ou também das próximas.

Mas é bom saber que, quase sempre, os bancos não permitem a amortização de parcelas futuras quando há alguma parcela em atraso, exigindo que a parcela atrasada também seja quitada, ok?

Amortização de financiamentos

Os financiamentos são operações por meio das quais você realiza alguma compra, com crédito do banco, e o dinheiro concedido vai direto para quem está vendendo o bem (ou seja, tem destino específico). É o caso do financiamento de imóveis ou veículos. 

Por exemplo, ao comprar um imóvel de uma construtora, com financiamento do Banco “A”, a instituição financeira repassa à construtora o valor do dinheiro, diretamente, sem passar por você, que fica responsável por pagar a dívida ao banco.

Mais frequentemente, os financiamentos são dívidas de longo prazo, podendo chegar a 30 ou 40 anos. E nos contratos de financiamento constam o sistema pelo qual a amortização da dívida deve ocorrer.

É o caso, por exemplo, do financiamento de imóveis: os dois principais tipos de amortização são a tabela SAC e a tabela Price

A sigla SAC representa Sistema de Amortização Constante, e nele o valor da amortização é constante, mas a taxa de juros pode variar, pois a tabela é pós-fixada. Assim, os juros são maiores no início do pagamento, mas vão caindo nas demais parcelas até o final. 

Por isso, no sistema da tabela SAC, o valor das parcelas diminui com o tempo, pois os juros mais altos são pagos no início. Costuma ser a opção escolhida por quem prefere fazer mais esforços de pagamento no começo. 

Já na tabela Price (Sistema Francês de Amortização), os juros são pré-fixados e o valor das parcelas será o mesmo da primeira até a última. Todo o custo total do financiamento estará igualmente diluído ao longo do tempo do contrato.

É melhor amortizar prazo ou prestação?

Uma dúvida comum entre aquelas pessoas que têm ou pretendem fazer um financiamento imobiliário é se, no processo de amortização, é melhor abater no valor da prestação ou no prazo total do financiamento.

A resposta, como na maioria das decisões econômicas, é um “depende”, pois está atrelada aos objetivos e contextos financeiros de cada pessoa.

Os especialistas em finanças costumam recomendar, de modo geral, a redução por tempo, com o consequente prazo menor da dívida, ao invés de manter o prazo, mas pagando uma parcela menor.

O mais indicado é fazer as contas da amortização das duas formas antes de optar por aquela que melhor atende às suas necessidades, certo?

Quando vale a pena amortizar um empréstimo ou financiamento?

Sabendo que a amortização é o mesmo que reduzir uma dívida, conseguimos explorar melhor as vantagens.

A primeira é o fato de você diminuir o custo total do empréstimo ou financiamento. Com o desconto proporcional dos juros decorrentes da amortização, a sua dívida total diminui. 

Ou seja, você vai desembolsar menos dinheiro para a instituição financeira credora. 

Outra vantagem é “se ver livre” da dívida mais rapidamente. Para muitas pessoas, dívidas longas podem significar uma preocupação a mais em seu dia a dia, então a amortização acelera esse processo de um orçamento sem débitos.

Estratégias financeiras para fazer amortizações

Agora que você já entendeu como funciona e as vantagens da amortização, deve estar se perguntando como obter a verba necessária para aproveitar este recurso.

A prática comum e recomendada pelos especialistas em finanças pessoais é aproveitar momentos pontuais em que você tem acesso a dinheiro extra

Por isso, abaixo trazemos algumas sugestões, que são aplicáveis a depender do seu contexto

1. Férias

Quem trabalha com carteira assinada tem, entre outros direitos trabalhistas, o descanso anual remunerado — ou seja, as famosas férias.

Além de poder ficar 30 dias sem trabalhar, o trabalhador recebe um valor adicional, o terço de férias.

Para quem não vai viajar ou ter outras despesas extras no período, pode valer a pena destinar o dinheiro do terço das férias para amortização de alguma dívida ativa, como um empréstimo ou financiamento de casa ou carro.

Leia mais: Como planejar uma viagem com pouco dinheiro?

2. Bônus e participação nos lucros

Muitas empresas pagam aos seus funcionários bônus e participação nos lucros como forma de incentivo à produtividade e à permanência no trabalho.

Esses valores podem chegar a até 5 ou mais salários, em alguns casos, e costumam ser pagos no 1º trimestre do ano, sempre tendo por base os resultados do ano anterior.

Assim, se for o seu caso, significa que você receberá uma “bolada” de dinheiro de uma única vez, e pode utilizar o total ou parte dele para amortizar suas dívidas, conseguindo o desconto proporcional por isso.

3. Restituição do Imposto de Renda

Todo ano milhões de brasileiros reservam um tempo para prestar contas ao Leão, ao fazerem sua Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física.

Ao apresentar para a Receita Federal todos os ganhos e despesas do ano anterior, é comum que o programa do IRPF aponte a existência do direito à restituição do Imposto de Renda, que nada mais é do que a devolução de imposto pago a mais.

A restituição do IR costuma ser paga entre maio e setembro, o que torna o dinheiro extra outra boa fonte de recursos para uma estratégia de amortização de dívidas, quaisquer que sejam elas.

4.  Décimo terceiro salário

O décimo terceiro salário é outro direito que beneficia, anualmente, milhões de pessoas: aposentados e pensionistas do INSS, servidores públicos e trabalhadores celetistas.

Como o nome indica, trata-se de um depósito extra feito pelo órgão pagador/empregador, no mesmo montante do salário. 

O 13º é pago em períodos diferentes a depender do grupo beneficiado; por exemplo, trabalhadores do setor privado costumam receber em duas parcelas no fim do ano (novembro e dezembro). 

A mesma regra vale para os beneficiários do INSS mas, desde a pandemia da covid-19, o governo federal tem liberado o pagamento antecipado do 13º INSS. Em 2024, aposentados e pensionistas vão receber os valores junto com os benefícios de abril e maio.

Leia mais: Décimo terceiro INSS liberado: veja datas do pagamento antecipado

Independentemente de quando você receba a gratificação natalina, vale considerá-la (no todo ou em parte) para amortizar alguma dívida em aberto e, com isso, obter um alívio financeiro maior.

5. Ajuste no orçamento

Para além de ganhos extras ocasionais, nada impede que você, de tempos em tempos, faça uma “faxina” financeira e reavalie gastos.

Essa pode ser uma forma de descobrir ajustes que fazem sobrar dinheiro no mês e, com isso, te dar espaço para futuras amortizações.

Por exemplo: pode ser que em período de aulas escolares, faça sentido cortar a assinatura de vários streamings e, com isso, ter a cada dois meses o valor de uma prestação para antecipar.

Ou, então, com a ida dos filhos para a faculdade, pode ser interessante trocar de carro por um que gere menos gastos com IPVA, seguro, combustível e manutenção — economia que pode ser destinada à amortização.

O cuidado, aqui, é só não fazer sacrifícios além da conta, que afetem sua qualidade de vida e da sua família a longo prazo.

6. FGTS

A reserva financeira do FGTS costuma ser uma das mais utilizadas para amortizações, especialmente de financiamento imobiliário.

A cada dois anos, é possível usar o saldo do FGTS para amortizar as parcelas do imóvel próprio. 

Mas mesmo quem tem outras dívidas pode usufruir do FGTS. Por exemplo, vamos supor que você fez o financiamento de um automóvel. 

Ao fazer a adesão ao saque-aniversário, pode receber, todo ano, uma parte do seu FGTS e utilizar o dinheiro para pagar mais prestações em aberto. 

O ponto de atenção é sempre olhar para o planejamento financeiro maior: não adianta usar o FGTS para amortizar a dívida, sem ter uma reserva financeira que possa suportar o pagamento de algumas prestações em caso de perda de renda, por exemplo.

Leia mais: Planejamento financeiro pessoal: faça o seu em 5 passos

7. Renda extra

Por fim, vale mencionar que é sempre possível considerar possibilidades de renda extra que permitam fazer caixa para novas amortizações de empréstimos ou financiamentos.

Por exemplo, um editor de vídeo que trabalhe em uma agência durante a semana pode trabalhar como freelancer fora do horário do expediente e utilizar a renda extra para antecipar pagamentos de um empréstimo pessoal.

Avalie sempre o quanto a atividade extra vai ocupar do seu tempo e de fato gerar renda que faça frente às amortizações desejadas, ok?

Veja como amortizar seu empréstimo no PicPay

O PicPay é um ecossistema completo de serviços financeiros, onde você encontra diversas opções de crédito.

Por isso, listamos abaixo como você pode fazer a amortização antecipada dos produtos de crédito no PicPay.

Empréstimo pessoal

Você pode pagar suas parcelas de forma antecipada, direto no aplicativo, que já mostra o desconto da antecipação calculado. 

Importante: é possível antecipar as próximas parcelas a vencer desde que elas estejam em sequência, ok? Ou então antecipar as últimas parcelas do contrato, de trás para frente.

Veja os passos:

  • Abra o aplicativo do PicPay;
  • Toque no ícone de Empréstimos;
  • Toque em Empréstimo Pessoal | Acompanhe seu contrato;
  • Selecione um Empréstimo e vá para Minhas Parcelas;
  • Toque em Antecipar Parcelas;
  • Selecione as parcelas que deseja antecipar (1 ou mais);
  • Clique em Continuar;
  • Confira o resumo das parcelas selecionadas, o valor total a ser pago e o valor que será economizado e clique em Pagar Parcelas;
  • Por fim, selecione como deseja pagar. 

Empréstimo do saque-aniversário FGTS

Para antecipar parcelas do seu empréstimo FGTS, descubra antes qual banco realizou a concessão. Se foi o PicPay Bank ou Banco Original, siga os passos:

  • Acesse o site Meus Empréstimos e Cartões e entre com o número do seu CPF;
  • Você receberá um código por SMS no número cadastrado no PicPay;
  • Insira o código para validar o seu acesso;
  • Escolha a opção Empréstimos;
  • Localize o contrato do seu Empréstimo com FGTS e clique nele;  
  • Selecione as parcelas que você quer antecipar e clique em continuar; 
  • Gere o boleto das parcelas e realize o pagamento. 

Já se foi com o Banco Digio, você deverá entrar em contato com a instituição para pedir a antecipação, nos telefones:  3003 8734 (capitais e regiões metropolitanas) e 0800-333-8736 (outras localidades).

É bom lembrar que, para quitação do empréstimo FGTS, deve-se utilizar recursos próprios, e não o saldo do Fundo, ok?

Empréstimo com garantia de veículo

Para amortizar parcelas ou quitar o empréstimo com garantia, é preciso utilizar o aplicativo da Creditas. Siga os passos: 

  • Vá até Seus empréstimos, acesse Ver parcelas;
  • Na área de pagamento do empréstimo ou financiamento, toque em Antecipar parcelas;
  • Selecione todas as parcelas em aberto;
  • Revise as informações e confirme a antecipação.

Empréstimo consignado

No caso do empréstimo consignado, seja para amortizar ou quitar toda a dívida, é só entrar em contato com a Central de Atendimento. 

O time de operações irá te atender, calcular o valor restante do empréstimo, aplicando o desconto de antecipação e emitirá um boleto para você fazer o pagamento antecipado.

Aproveite para ver mais conteúdos na seção Meu Dinheiro do Blog do PicPay.

Esse conteúdo foi útil? Deixe aqui sua avaliação

Média da classificação 1 / 5. Número de votos: 213

Compartilhe este Post:

Conteúdos relacionados